Arquivos mensais: abril 2011

Uma questão de bem estar

O poder transformador da cirurgia plástica também contribui para a melhora da autoestima das mulheres insatisfeitas com as partes mais íntimas.

Cada vez mais popular, acessível e procurada, a cirurgia plástica estética tem contribuído para a correção de alterações, genéticas ou adquiridas, com grandes modificações físicas e psicológicas em seus adeptos.

Que há grandes mudanças físicas não há dúvidas, é visível! Porém, o que muitos não sabem, é a grande mudança que ocorre no campo psicológico proporcionada pela plástica. Em determinados casos, esta mudança é ainda maior do que a física.

Pelas correções das imperfeições que afligem as pacientes, há um ganho em termos de autoestima e bem-estar. É comum a paciente de temperamento contraído passar a ser mais sociável após a mamoplastia de aumento, ou, de quem nunca usou rabo-de-cavalo cortar os cabelos depois da otoplastia, que faz uma correção nas orelhas de abano, e de quem fugia das fotos procurar ser mais fotografada depois da rinoplastia.

Entretanto, há um tipo de cirurgia estética que não é notável à primeira vista, que ninguém divulga aos conhecidos que fez, e que causa uma das maiores mudanças em termos de autoconfiança e autoestima. É a cirurgia íntima.

Pouco divulgada, menos ainda discutida e realizada por poucos especialistas, a cirurgia íntima tem ganhado cada vez mais adeptos. Ao contrário do que pensa a maioria, as alterações da região genital feminina não é rara. Muitas pacientes convivem com o peso de se acharem diferentes, de sentirem vergonha e constrangidas ao se despirem e até de não se sentirem à vontade durante a relação sexual.

Há vários tipos de cirurgias íntimas. A mais procurada é a redução dos lábios vaginais (ninfoplastia ou labioplastia), seguida da redução do Monte de Vênus e preenchimentos dos grandes lábios vaginais. Em termos gerais, são cirurgias realizadas com anestesia local e alta no mesmo dia, com retorno às atividades em dois dias. Tenho realizado cirurgias em pacientes de todos os lugares do Brasil, que retornam à sua cidade após poucos dias, e frequentemente não contam nem aos familiares.

É incrível como uma cirurgia de pequeno porte pode gerar uma transformação tão grande, ao retirar um peso psicológico da paciente, deixando-a mais relaxada e confiante para o convívio social, apesar de apenas ela (ou poucas pessoas) ficarem sabendo!

Dr. André G. Freitas Colaneri é especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Sexo pós-gravidez: paciência, tudo irá melhorar!

Noites em claro, choro do bebê, seios cheios de leite, hormônios a mil por hora e a libido vai ficando a quilômetros de distância, além do que o marido enfrenta aquela ‘seca’ de dar dó. Isso tudo é muito comum e acomete muitas mulheres que acabaram de ter seus bebês.

O desejo sexual muda muito nas diferentes fases da gravidez. No primeiro e no terceiro trimestres, há uma diminuição do desejo e da atividade sexual. No segundo trimestre, há um aumento do apetite sexual das mulheres.

Não há como negar que a chegada de um bebê altera, e muito, a rotina de qualquer casal. Em muitas vezes, as mudanças começam ainda no período da gestação. A expectativa com a chegada de um novo integrante na família, as mudanças hormonais e físicas da mulher, as dúvidas e as angústias são alguns dos fatores que influenciam a vida sexual dos futuros pais. De acordo com a ginecologista Rosa Maria Neme, o desejo sexual muda muito nas diferentes fases da gravidez. No primeiro e no terceiro trimestres, há uma diminuição do desejo e da atividade sexual. No segundo trimestre, há um aumento do apetite sexual das mulheres. “Só que nessa fase, em geral, os próprios parceiros têm receio em ter relações, por medo de machucar o bebê. Porém eles precisam ser informados de que não há perigo algum em ocorrer qualquer problema se tiverem relações sexuais com suas mulheres, desde que não haja contra-indicações médicas. Além disso, os casais podem ter relações sexuais até a fase do parto, contanto que a gestante não se sinta incomodada pelo peso da barriga”, explica.

Mas, geralmente, depois que o bebê nasce os “problemas” relacionados ao sexo ficam mais evidentes. Afinal, quem consegue pensar “naquilo” ficando noites sem dormir, tendo de amamentar de hora em hora? Os primeiros meses são realmente difíceis, já que a adaptação a essa nova vida leva certo tempo. E por falar em tempo, esse sim “desaparece” da noite para o dia. Com isso, deixamos tudo de lado para cuidarmos do (a) pequeno (a) rebento (a) e, quando sobra “aquele” tempinho precioso, só pensamos em… descansar e dormir!

Sendo assim, a sexualidade fica naturalmente de lado. “Isto é normal acontecer, principalmente com as mulheres que amamentam. O hormônio que estimula a formação e a ejeção do leite da mama diminui a produção de testosterona no corpo da mulher, reduzindo, consequentemente, a libido. Além disso, a mulher, após o nascimento do bebê, tende a ficar mais cansada pelo ritmo de vida diferente”, revela Rosa Maria Neme.

Segundo a ginecologista e sexóloga Ângela Carvalho, este momento não é fácil para o casal, especialmente para a mulher. Ela aconselha que o parceiro participe dessa rotina, pois, assim, poderá compreender melhor essa fase de grandes mudanças e terá a oportunidade de ajudar e participar da vida do bebê. “Quando a nova mamãe tem a colaboração e a compreensão do companheiro, terá melhores condições de administrar o pouco tempo que lhe resta disponível”, diz.

Entretanto, é importante que ambos, principalmente o parceiro, compreendam que a falta de libido da mulher ocorre em função da alteração hormonal. “Idealmente isto deve ser abordado pelo médico obstetra na frente do marido, mostrando que não se trata apenas de uma “má vontade” da mulher em ter relações e que o problema é realmente fisiológico. Além disso, a mulher deve conversar com o parceiro sobre isto”, ressalta Rosa Maria Neme.

Para a sexóloga Ângela Carvalho, esse entendimento deverá ser buscado desde a gestação, com participação do casal nos cursos de gestante, leituras e muito diálogo. “O marido envolvido com a gestação compreenderá melhor essas mudanças”, analisa.

Por isso, se seu parceiro está desesperado para saber quando irá terminar esse período de “secura”, pode tranquilizá-lo. Normalmente, tudo tende a melhorar quando a mulher para de amamentar. “A paciência é a alma do negócio. O retorno à vida sexual estará permitido depois de 40 dias do nascimento do bebê e deverá ser gradativo, com romantismo, carinho e planejamento do momento ideal para as relações. Fazer sexo, quando o bebê mamou há duas horas, será frustrante, pois, com certeza, haverá choro de fome durante o ‘ato’, o que acabará com a excitação de ambos, mas especialmente da mamãe”, adverte a sexóloga. E complementa: “Além do que já mencionei, é importante evitar perder tempo com programas de televisão, com o uso de computador ou na arrumação de casa. Quando o bebê dormir é hora de relax; muitas vezes um banho junto é excitante, e nem sempre há necessidade de as carícias terminarem em penetração. Vale aproveitar esses momentos para  trocar carinhos e palavras de sedução”.

Rosa Maria Neme observa ainda que, para tentar resolver este problema, é possível recorrer a medicamentos naturais que podem ajudar na elevação da libido e praticar exercícios físicos, que melhoram a sensação de cansaço e aumentam um pouco a produção da testosterona.

Fontes consultadas:

Ângela Carvalho (CRM 11060).
Endereço: Rua XV de Novembro, 2913, Alto da XV, Curitiba, PR.
Tel.: (41) 3026-4994. angelacarvalho@onda.com.br;

Rosa Maria Neme (CRM-SP 87844): www.endometriosesp.com.br.

Por Kelen Trevisan

Micose: cuide-se com o sol e previna-se na academia de ginástica

O sol é um dos maiores vilões quando o assunto é micose

Quando pensamos em academia de ginástica ou esportes aquáticos, logo vêm os riscos de se contrair uma micose. Ela é um dos problemas mais comuns e simples da pele que acomete pessoas de todas as idades. Trata-se de uma doença infecciosa que, se não for tratada rapidamente e do jeito correto, pode trazer muito desconforto e mal-estar, além do fato de ser altamente contagiosa. Isso mesmo, você pode contaminar filhos, marido, amigas etc.

Os agentes causadores da micose são os fungos. Por serem microscópicos, eles crescem com facilidade em ambientes quentes e úmidos e existem vários tipos. E não é apenas no verão que ela dá as caras, saiba mais!

A mais comum: Sem dúvida, a transpiração, principalmente nos dias ensolarados, nas praias ou piscinas, é fator de risco para a contaminação. E esse tipo de micose é denominada de pitiríase versicolor, causada por um fungo que provoca manchas redondas e esbranquiçadas no tronco e nos braços. Com maior incidência no verão, quando a temperatura mais alta favorece o crescimento do fungo, esse tipo de micose acomete mais as pessoas com predisposição para o problema.
O tratamento: deve ser feito com antifúngicos de uso tópico (local) sendo importante também manter a pele arejada e limpa. Ou seja, roupas frescas e mais soltinhas.

Micose de pé: É bem comum e causa lesões variadas nos pés, como bolhas e descamação.
Quem já não se viu, pelo menos uma vez na vida, às voltas com a famosa frieira, que provoca maceração e avermelhamento entre os dedos e, em geral, é causada por fungos. Esse tipo de micose ocorre em pessoas que mantêm os pés quentes e úmidos, devido ao uso de sapatos fechados ou tênis, não permitindo a ventilação.
Outro tipo de micose muito conhecida é o pé-de-atleta, que provoca descamação intensa na planta do pé e é muito confundia com o ácido úrico. Vale destacar que o aumento do ácido úrico no organismo não causa esse tipo de alteração na pele.
O tratamento: somente com antifúngicos locais, demorando cerca de 40 dias para regredir o quadro da infecção.
Importante! Quando se trata desse tipo de micose, a prevenção é perfeitamente possível desde que você seque bem os pés após o banho ou o contato com a água e deixe sempre que possível os pés arejados para que a pele respire, evitando o uso de calçados fechados o tempo inteiro.

Micose de unha: É considerada a mais difícil de ser tratada, a onicomicose é causada por fungos que se adaptam muito bem ao pé e se alimentam de queratina das unhas, causando um engrossamento, amarelamento e descamação intensa das mesmas. Para esse tipo de micose, é necessário fazer um exame micológico direto, para diagnóstico do problema. Com uma técnica simples, raspando-se um pouco do material da região adequada, o especialista pode observar no microscópio comum o aparecimento dos agentes específicos.
O tratamento: é demorado e deve ser feito com medicação sistêmica, durante alguns meses. Hoje em dia existem antifúngicos eficazes que, em cerca de seis meses, podem deixar a aparência da unha normalizada. Também já existem alguns produtos farmacêuticos – em forma de esmaltes – capazes de tratar as unhas quando a micose não avançou demais.

Para todos os casos
A partir do momento em que você notou algo de diferente, vale a pena marcar uma consulta com seu dermatologista. Todos os tipos de micose respondem melhor ao tratamento logo de início. Dessa forma também você não transmite o problema para familiares e pessoas que convivem com você no dia a dia. Perca um minutinho a mais no espelho e na hora de passar hidratante no corpo, por exemplo. O autoconhecimento é essencial nesse momento.

Daniela Hueb é médica com especialização em Dermatologia e Nutrologia

Adoramos as novas cores dos esmaltes !!!

Um dos motivos que tem deixado as fashionistas enlouquecidas é que, de uns tempos para cá, a indústria brasileira de esmaltes tem acompanhado, simultaneamente, as novidades internacionais. A Lâncome lançou determinada cor? Não tem problema, as brasileiras chegam muito próximo ou basta misturar duas tonalidades para aproximar-se da cor desejada. E por sermos muito criativas, nós, consumidoras, estamos adorando as novas coleções.

Linha 'Espelho, Espelho Meu' traz oito novidades para a próxima estação

A Colorama acaba de lançar a coleção ‘Espelho, Espelho Meu’, que promete fazer muito sucesso na temporada outono/inverno 2011.

São oito cores intensas divididas da seguinte forma: da linha Verniz & Cor, que garante brilho verniz de alta resistência, as novidades são o tom ameixa intenso de Eterno e o tom vinho aberto de Beijo Roubado.

Já o Desfecho, um uva acinzentado, e o Doce Loucura, um rosa claro, fazem parte da gama Cremosos.

A coleção fica completa com os esmaltes Plano Perfeito, um cinza com toque de lilás, Conto de Fadas, um rosa mais delicado, Hipnose, um tom prata, e Poção Mágica, glitter em tons de azul e dourado, todos da linha Cintilantes.